O QUE A NOSSA CLÍNICA ESTÁ FAZENDO PARA CUIDAR DE VOCÊ.

Nesse momento, estamos totalmente focados em um único objetivo: cuidar da sua saúde mental facilitando o nosso contato. Ficar em casa é essencial e, por isso, tomamos uma série de medidas para garantir que sua experiência psicológica seja mais leve, fluida e humanizada.

Se puder,
fique em casa

Para tirar dúvidas sobre nossos serviços utilize nossos Canais de Atendimento.

Lave as mãos

Higiene pessoal é a principal ferramenta contra a disseminação do vírus.

VAMOS ABRIR UMA NOVA PORTA DE RELACIONAMENTO.

Diante das restrições impostas pela pandemia, todos os governos têm adotado medidas no sentido de prevenir a disseminação do vírus. Sendo a principal, a realização de quarentena preconizada pelo Ministério da Saúde e pelas demais autoridades (municipais, estaduais e federais).


Aqui na Clínica de Psicologia Roberto Schneider, nossa prioridade é o acolhimento e o cuidado com cada pessoa. Por isso, para continuar a cuidar da saúde mental de nossos clientes e colaboradores, continuamos acreditando na união de todos como forma de conter o progresso do novo coronavírus (Covid-19) e minimizar os seus efeitos sobre a população. 


Na nossa instituição, bem como em cada lar em que estamos presentes, passamos adotar as orientações, em conformidade com o Ministério da Saúde, para barrar a transmissão do coronavírus (Covid-19) trabalhando com serenidade, segurança e conscientização. 


Ainda como forma de reforçar o nosso compromisso com os clientes, informamos que:


I.    Estamos passando por processos de adaptação para superar os novos desafios;


II.    Como compromisso social, continuamos presente e atentos aos desdobramentos administrativos do poder público.


III.    Reiteramos a importância da psicologia no contexto atual e seu papel estratégico de levar informações e orientações adequadas a toda comunidade;


IV.    Desde o início da pandemia aqui no Brasil, o Conselho Federal de Psicologia se posicionou no intuito de orientar para que os profissionais possam atuar de modo seguro diante da atual crise epidemiológica;


V.    De modo remoto, seguimos monitorando atentamente cada caso clínico;


VI.    Manteremos contatos com os clientes via telefone quando necessário para orientações; 


VII.    Seguiremos orientações expressas do Ministério da Saúde, Conselho Federal de Psicologia e recomendações da Organização Mundial da Saúde.


No presente momento o nosso objetivo é, também, aliviar os efeitos psicológicos da pandemia refletidos na sociedade como também nas equipes de saúde. Por isso, iremos disponibilizar a estes canais digitais para realizar suas sessões de modo solidário, sem exposições a riscos e seguindo as recomendações do CFP.


No atual momento, diante de um desafio humanitário de muitas dúvidas e de várias ordens não podemos nos arriscar em dar as mãos, porém podemos conectar nossos conhecimentos em busca de um bem maior.

ANGÚSTIA E MEDO SÃO CARACTERÍSTICAS DO SER HUMANO EM MOMENTOS DE INCERTEZAS

A dor, a angústia e o sofrimento provocado pelo novo coronavírus (Covid-19) ao redor do mundo alcançou um patamar tão elevado que a Organização Mundial da Saúde (OMS) publicou orientações para proteger a saúde mental durante a pandemia. Seu principal foco foi o aspecto emocional que necessita ser gerenciado, principalmente, no presente momento de isolamento que acaba gerando incertezas sobre o futuro, medo, estresse elevado e ansiedade. Este cenário carregado de inúmeras pressões e aliado a sentimentos negativos podem causar ou simplesmente agravar os problemas mentais.


Nós psicólogos sabemos que as emoções negativas são mais fortes e duram mais, memórias negativas são mais intensas e constantes, por esses motivos a OMS diz que: “devemos evitar ler, assistir ou consumir conteúdos e notícias que nos deixem ansiosos, pois as repetições de notícias desanimadoras podem gerar mais desconforto”.   Assim, observamos que as informações devem ser usadas como ferramentas para tomada de decisão de forma objetiva buscando elaborar seu plano de ação para proteger aqueles os quais você ama como a si próprio. Então, entendemos que durante o dia, devemos buscar informações em horários específicos evitando ficar toda hora atualizando os dados.


As consequências do coronavírus vão além da saúde e da economia, isto explica o aumento exponencial de pessoas ansiosas e abatidas no atual contexto. Certo grau de ansiedade e incertezas pode ter seu lado positivo, principalmente se direcionar os governos assim como os indivíduos a se tornarem vigilantes contra contaminação e a disseminação do covid-19. 


Geralmente, o medo é o produto final das incertezas, assim como ansiedade é o desejo de ter tudo sob controle.  Porém, tudo que é novo e desconhecido geram estímulos mentais automáticos e espontâneos que escapam da nossa consciência, sendo muitas vezes responsável pelo nossa sobrevivência. Tais reações involuntárias e naturais ocorrem sem pensarmos ou refletirmos sobre elas. 


Compreender como o mecanismo do medo funciona é uma excelente ferramenta para combater os desconfortos. Já sabemos que o estímulo do medo vem com os sentimentos de incertezas associado ao descontrole, após inúmeras notícias, estatísticas e especialistas abordando o assunto exaustivamente você pode chegar à conclusão que isso pode ser letal e refletir: “será que eu e minha família estamos seguros, existe alguém que eu amo e esteja no grupo de risco, os governantes estão no controle da situação ou ainda terá hospitais e atendimento médico para todos”?


Veja quais os motivos dentre outros que aumentam a sensação de angústia e medo nas pessoas:


a)    Vivemos com medo do outro: doenças contagiosas e pandemias nos levam a desconfiar do outro, pois ele pode estar contaminado e colocar a minha saúde e vida em risco;


b)    Hipervigilância: pessoas com fobias passam a ter maior sensação de insegurança, aumento no nível de atenção, estado de alerta constante e medo de frequentar lugares públicos;


c)    Teorias conspiratórias: levam as pessoas a acreditarem que o covid-19 foi criado para gerar uma crise de ordem mundial ou uma “nova era”;


d)    Fake News: notícias falsas com manchetes distorcidas e absurdas com o claro intuito de confundir a opinião pública além de levar a desconfiança dos dados divulgados sobre pandemia;


e)     Economia paralisada: fronteiras fechadas, falta de material hospitalar, desconfiança do mercado, crise financeira global e demissões em massa tudo isso coloca mais pressão psicológica sobre as pessoas elevando o nível de estresse.

No passado recente quando o vírus da gripe H5N1(gripe aviária ou influenza A) atingiu os países da Ásia, quando a pneumonia asiática, também conhecida como pneumonia atípica a SARS (Síndrome Respiratória Aguda) no sul da China e Canadá ou o Ebola que golpeou duramente a África, uma onda de pânico dominou o pensamento das pessoas. Foi um verdadeiro tsunami de informações disparadas nas redes sociais, na mídia tradicional e para agravar, através das Fake News que espalharam desinformação criando um ambiente ainda mais tóxico.


A circulação de informações inverídicas é intensa no mudo de hoje, traz desorientação, tensão e causa pânico. Porém, os relatos clínicos demonstram que para diminuir as implicações psicológicas é necessário ter uma comunicação clara e assertiva relatando a população o que realmente está ocorrendo, por qual motivo isto ocorre e por quanto tempo as medidas irão permanecer.


O grande desafio é concentrar-se no presente buscar a serenidade e o equilíbrio emocional para superar os obstáculos, pois somente com a harmonia entre a mente e o corpo ponderemos encontrar as respostas para os momentos de incertezas.

CUIDADOS PARA SAÚDE MENTAL DURANTE A PANDEMIA

Organização Mundial da Saúde (OMS) apresenta dica para enfrentar consequências psicológicas e mentais do novo coronavírus; doença está gerando estresse na população afetada pelo risco de contaminação, incerteza, isolamento social e desemprego entre outros motivos; guia contempla profissionais de saúde, crianças e idosos, líderes de equipes e pessoas em quarentena.

Segundo a OMS as consequências da pandemia do novo coronavírus estão causando pressão psicológica e estresse em grande parte da população afetada. As incertezas provocadas pelo covid-19, os riscos de contaminação e a obrigação de isolamento social podem agravar ou gerar problemas mentais.
Foto do vírus


Autoridades de saúde e a agência da ONU estão cooperando para conter a disseminação da doença. Mas como ocorre em tempos de crise, a ameaça de contaminação está causando estresse na população. 

Este guia foi compilado com o Departamento de Saúde Mental da OMS e é dirigido a diferentes grupos. 

À população geral: o covid-19 não tem bandeira, demonstre empatia!


1.    O novo coronavírus deve afetar pessoas em muitos países e regiões. Não existe nenhuma relação da doença com uma etnia ou nacionalidade. Demonstre empatia com todos os afetados em qualquer país. As pessoas infectadas não fizeram nada errado e merecem nosso apoio, compaixão e gentileza.


2.    Não se refira às pessoas com a doença como “casos de covid-19” ou “vítimas”, “famílias de covid-19”, “adoentados” etc. Eles são “pessoas com covid-19 ou que estão em tratamento, ou se recuperando” e depois de recuperados continuarão sua vida normal em família, no trabalho e com seus entes queridos. É importante separar a pessoa e a sua identidade do vírus em si para reduzir o estigma.


3.    Reduza a leitura ou o contato com notícias que podem causar ansiedade ou estresse. Busque informação apenas de fontes fidedignas e dê passos práticos para preparar seus planos, proteger-se e a sua família. Procure informações e atualizações uma ou duas vezes ao dia evitando o “bombardeio desnecessário” de informações. A enxurrada de notícias sobre um surto pode levar qualquer pessoa à preocupação. Informe-se com os fatos e não os boatos ou as informações erradas. E busque essas notícias em intervalos regulares do website da Organização Mundial da Saúde, das autoridades locais para que possa fazer a diferença entre boato e fato. Os fatos ajudam a minimizar o medo.

4.    Projeta a si próprio e apoie os outros ajudando-os em seus momentos de necessidade. A assistência a outros em seu momento de carência pode ajudar a quem recebe o apoio como a quem dá o auxílio. Um exemplo: telefone para seus vizinhos ou pessoas em sua comunidade que precisam de assistência extra. Atuando juntos como uma comunidade pode ajudar a criar solidariedade e a enfrentar o covid-19 em união.

 
5.    Crie oportunidades para ampliar histórias positivas e úteis e imagens positivas de pessoas na sua área que tiveram o covid-19. Por exemplo, experiências de pessoas que se recuperaram da doença ou que apoiaram um ente querido e estão dispostas a contar como foi. 


6.    Homenageie e aprecie o trabalho dos cuidadores e dos agentes de saúde que estão apoiando os afetados pelo novo coronavírus em sua região. Reconheça o papel deles para salvar vidas e manter todos seguros.


Agentes de Saúde 

7. Para os trabalhadores desse setor que sentem a pressão de lidar com a situação, este é um quadro típico para você e muitos de seus colegas. É normal se sentir assim por causa do entorno da pandemia. O estresse e as sensações associadas com esse quadro não significam que você não seja capaz de fazer o seu trabalho ou que seja uma pessoa fraca. O gerenciamento da sua saúde mental e o seu bem-estar psicossocial durante este momento é crucial para que você possa manter sua saúde física também. 


8. Cuide de você. Tente utilizar métodos para lidar com a situação como fazer pausas e descansar entre os seus turnos de trabalho e até mesmo tirar um momento dentro do expediente. Tenha atenção ainda aos seus alimentos para manter uma dieta saudável, fazer exercícios físicos e ficar em contato com a família e com os amigos.  


Evite formas errôneas de lidar com o estresse como o uso de tabaco, álcool ou outras drogas. A longo prazo, eles pioram o seu bem-estar físico e mental. Este é um cenário sem precedentes para muitos trabalhadores especialmente aqueles que nunca participaram de respostas semelhantes a uma crise ou pandemia. Para os que têm alguma experiência, tente utilizar o que deu certo no passado e que pode ser útil de novo. Você pode conseguir reduzir o estresse. Não estamos numa corrida, esta é uma maratona.


9. Alguns agentes de saúde podem estar sendo evitados pela família por causa do medo de contaminação e estigmas. Isso pode fazer com que a situação que você já enfrenta se torne ainda mais difícil. Se possível, continue conectado com seus entes queridos. O contato virtual é uma forma de contato. Procure seus colegas, seus supervisores e pessoas de confiança para esse apoio social. Você poderá descobrir que seus amigos estão tendo experiências semelhantes e atravessando o mesmo que você.


10. Na comunicação com outros, seja simples. Muitas pessoas podem ter dificuldades para entender as mensagens por causa de deficiências cognitivas, visuais e físicas. As formas de comunicação que não sejam só escritas precisam ser utilizadas. Se você é líder da sua equipe, ou chefe do hospital e está em contato com o público e com os pacientes, pense nisso.


11. Descubra e se informe sobre o apoio às pessoas com o covid-19 e aos recursos dos quais elas precisam para que possa fazer a ponte e o contato com links, ou outros meios. Isso é crucial para quem precisa de apoio psicológico ou de saúde mental. O estigma associado a problemas mentais pode causar estresse. O Guia de Intervenção Humanitária inclui diretrizes clínicas para lidar com as condições prioritárias de saúde mental e pode ser usado por agentes gerais de saúde.

Líderes de equipe e supervisores em postos de saúde

12. Mantenha todo o pessoal protegido de estresse crônico e de uma saúde mental precária para que possam desempenhar seu trabalho da melhor maneira. Certifique-se que a situação atual não terminará da noite para o dia e o seu papel é focar no longo prazo em vez de respostas de curto prazo para a crise.


13. Assegure uma informação de qualidade e fidedigna para todo o pessoal da equipe. Faça uma rotação no pessoal das áreas mais estressantes para as menos estressantes. Coloque funcionários com menos experiência para trabalhar com os mais experientes. O Sistema de apoio e boas relações entre colegas ajuda a melhorar o ambiente de trabalho, reduzir o estresse além de promover procedimentos seguros. Aqueles trabalhadores que têm que ir às comunidades, devem ir em dupla. Inicie, encoraje e monitore as pausas no trabalho. Implemente tabelas  flexíveis para o pessoal que está diretamente afetado ou tem um membro da família impactado pelo estresse ou algum trauma. Assegure-se que você está criando espaço para que os colegas forneçam apoio social uns aos outros.


14. Se você ocupa uma posição de liderança num estabelecimento de saúde, viabilize o acesso e se assegure de que os funcionários possam utilizar os serviços de apoio psicossocial e mental. Os gerentes e chefes de equipe também enfrentam as mesmas pressões que os supervisionados por eles além de um maior fardo causado pelo papel de liderança. Por isso, é importante que todos os recursos estejam ao alcance de quem precisa trabalhadores e chefes e que os últimos possam ser um modelo na mitigação do estresse. 


15. Oriente os agentes de saúde, incluindo enfermeiros, motoristas de ambulâncias, voluntários, professores, diagnosticadores e líderes comunitários em quarentenas como oferecer apoio emocional básico para as pessoas afetadas.


16. Gerencie a saúde mental dos pacientes e as queixas neurológicas como delírio, psicose, ansiedade severa e depressão, nas áreas de emergência ou de clínica geral. Um pessoal treinado corretamente talvez tenha que ser mobilizado para essas áreas. 


17. Por fim, assegure-se que o fornecimento essencial de medicamentos em todos os níveis de cuidados. As pessoas vivendo com doenças e síndromes como ataques epiléticos precisam de medicação constante e não podem ter interrupções.

Cuidadores de crianças

18. Ajude as crianças a expressarem, de forma positiva, seus medos e ansiedades. Cada criança tem sua própria maneira de fazê-lo.  Algumas vezes, a atividade criativa, jogos e desenhos podem ajudar. As crianças se sentem melhor e mais aliviadas quando podem comunicar os sentimentos num ambiente de apoio. 


19. Mantenha as crianças perto de seus pais e familiares caso seja seguro para elas. Evite a separação deles. Caso uma criança tenha que ser retirada de seus pais ou tutores, assegure-se de que ela será cuidada por outra fonte como assistentes sociais ou equivalentes e cheque a situação da criança regularmente. Ainda mais, certifique-se de que durante o tempo da separação o contato com os pais ou tutores seja feito duas vezes ao dia por chamadas de vídeo ou outra forma apropriada à idade da criança (por exemplo, mídia social dependendo da idade).


20. Mantenha as rotinas familiares sempre que possível e crie novas rotinas principalmente com as crianças em casa. Pense em atividades lúdicas e pedagógicas para fazer com elas. Sempre que possível, incentive as crianças a continuarem brincando e se sociabilizando com os outros, mesmo que somente na família por causa do distanciamento social no momento.


21. Em estresses e crises é normal para a criança buscar mais os pais e exigirem mais deles. Fale com seus filhos sobre o covid-19 de forma honesta e apropriada à idade deles.  Se eles tiverem preocupações, o fato de falar sobre elas pode ajudar a baixar a ansiedade das crianças. Elas observam os pais, as emoções no ar e tiram daí seus mecanismos para lidar com as próprias emoções da melhor forma nesses momentos difíceis.

Idosos, cuidadores e pessoas com problema de saúde

22. Idosos, especialmente em isolamento social e aqueles com problemas cognitivos como demência podem se tornar ansiosos, estressados, com raiva, agitados e distanciados durante a quarentena. Ofereça a eles apoio emocional por meio de redes familiares ou de agentes de saúde. 


23. Partilhe fatos simples sobre o que está acontecendo com informações claras a respeito da redução de riscos e infecções em palavras compreensíveis para quem tem barreiras de entendimento.   Repita a informação sempre que necessário.  As instruções precisam ser claras, concisas e respeitar o estilo do paciente. Talvez seja útil colocar a informação em escrito ou em pinturas e figuras. Envolva a família e outras redes de apoio no fornecimento das notícias e de medidas de prevenção como a lavagem de mãos.


24. Se você tem alguma doença ou síndrome, certifique-se de que seus medicamentos estão disponíveis para uso. Ative ainda seu grupo de amigos para pedir ajuda caso necessário.


25. Esteja preparado e informado, com antecedência, de como buscar ajuda, como chamar um taxi, ter comida entregue em casa ou pedir ajuda médica. E providencie medicamentos para duas semanas, caso necessário. 


26. Aprenda exercícios físicos simples para fazer em casa todos os dias durante o isolamento e a quarentena para não reduzir a mobilidade. 


27. Mantenha rotinas e tarefas regulares sempre que possível e crie novas num ambiente diferente. Entre elas atividades diárias, limpeza, canto, pinturas e outras. Ajude outros, vizinhos, amigos, crianças e pessoas em hospitais combatendo o covid-19, sempre que for Seguro, claro. Mantenha o contato com os entes queridos ainda que por telefone.

Pessoas em isolamento

28. Fique em contato e mantenha sua rede de amigos e conhecidos, ainda que isolado tente ao máximo manter sua rotina e crie novas. Se as autoridades de saúde recomendaram distância física para conter o surto, você pode manter a proximidade digital com e-mails, redes sociais, telefone, teleconferências etc. 


29. Durante esse período de estresse, esteja atento a seus sentimentos e demandas internas. Envolva-se com atividades saudáveis e aproveite para relaxar. O exercício constante, o sono regular e uma dieta balanceada ajudam. Mantenha tudo em perspectiva. Os agentes de saúde em todos os países estão atuando para que os mais afetados pela pandemia recebam assistência e cuidados.


30. Uma enxurrada constante de notícias sobre o surto pode levar qualquer um à ansiedade e ao estresse.  Siga as notícias confiáveis e evite boatos e “fake news” que vão somente causar mais desconforto e dissabor.


Fonte: Organização Mundial da Saúde
 https://news.un.org/pt/story/2020/03/170
7792

COMO GERENCIAR O LADO "SOMBRIO"

DO ISOLAMENTO COM BOM HUMOR

1 . Planejamento

Inclua um planejamento no seu cotidiano, é essencial ter rotinas definidas, elas irão ajudá-lo a produzir mais, além de contribuir de forma extraordinária para sua saúde mental.

3. Empatia Emocional

Mude sua forma de ver e cobrar o outro, tenha capacidade de observar o que ele está vivendo, pois, como grande parte da sociedade ele também está cercado de incertezas e preocupações.

5. Libere a endorfina

A endorfina é uma substância natural (neuro-hormônio) produzida pelo cérebro na glândula hipófise. Ela apresenta uma forte ação analgésica e ao ser liberada estimula a sensação de bem-estar, conforto, melhora o estado de humor, alegria e plenitude. Seu processo de liberação acontece durante e depois de uma atividade física. Deste modo, para quem busca essa sensação de bem estar, alívio da dor física, diminuição da ansiedade e melhora no estado de humor durante o isolamento nada melhor que a prática de atividades físicas em casa.

2. Amor Próprio

Tenha carinho consigo, não elevando ao extremo o grau de exigências de suas competências, realizando cobranças absurdas que vão além do seu controle no presente momento.

4. Elimine ruídos na comunicação

Existem pessoas com grandes dificuldades de compreender os próprios sentimentos e verbalizá-los. Assim, desenvolva a capacidade de ouvir antes de falar, isto lhe dará mais clareza e assertividade no momento que se comunicar. 

6. Cuide de sua alimentação

O nosso sistema digestivo é reconhecido por alguns pesquisadores como o nosso “segundo cérebro”, com aproximadamente meio bilhão de neurônios e mais de 30 tipos de neurotransmissores contendo 50% de toda a dopamina e 90% da serotonina presente no organismo humano. A falta de um planejamento nutricional adequado pode interferir, sem que você perceba, no seu nível de estresse e ansiedade, tornando o isolamento em algo muito mais doloroso.

7. Qualidade do sono

A qualidade do sono está diretamente ligada a sua qualidade de vida. Enquanto dormimos nosso organismo desempenha diversas atividades vitais como: liberação de hormônios, fortalecimento do sistema imunológico, cristalização da memória e relaxamento do cérebro. Porém, a carência de estímulos de descanso provocado pela pandemia, aliado a inúmeras pressões psicológicas atingem boa parte da população, prejudicando a atuação dessas funções. No período que seu corpo necessitaria estar repousando e revigorando, ele faz o inverso, assim, os resultados de um sono de péssima qualidade irão da ansiedade ao estresse a curto prazo, a complicações cardiovasculares após alguns anos. Além disso, os reflexos posteriores a uma noite mal dormida trazem a sensação de cansaço, gera procrastinações,  prejudica a produtividade e eleva o nível de irritabilidade. Lembre-se atividade física, leitura e uma alimentação saudável auxiliam as pessoas a dormir bem e se sentirem mais revigoradas ao acordar.