Idosos e Isolamento: 05 modos de implementar uma rotina saudável e evitar o distanciamento emocional

Atualizado: 10 de abr. de 2021



Segundo dados do Ministério da Saúde e da Organização Mundial de Saúde (OMS), alguns grupos da população são mais vulneráveis ao coronavírus. Entre esses grupos estão idosos, diabéticos, hipertensos, quem tem insuficiência renal, doenças respiratórias ou cardiovasculares crônicas. Desta forma, as autoridades sanitárias recomendam que seja de extrema importância a permanência desses indivíduos em casa enquanto a transmissão não for contida.

Apesar de ser tóxico a todas as faixas etárias, o distanciamento social pode ser mais severo quando se fala do idoso. Existe um consenso dentro da psicologia e outras áreas da saúde que o isolamento social traz ao idoso um nível elevado de desenvolvimento de doenças mentais como ansiedade, depressão e pânico.

Neste cenário extremamente desfavorável para os idosos, a construção de rotinas saudáveis tem o imenso potencial de combater a ansiedade e outros males, além de aumentar a confiança. É na rotina que alcançamos nossas metas e objetivos, visto que ela orienta nossa parte cognitiva.

O processo natural do envelhecimento impacta diretamente no comportamento orgânico do corpo, demandando diversos cuidados. Sendo assim é de extrema relevância que os filhos e cuidadores desenvolvam programas de atividades para os idosos. A execução de uma agenda positiva através de rotinas saudáveis tem o poder de suprimir o tédio transformando a maturidade mais leve, agradável e repleta de vitalidade.

Confira logo abaixo, cinco importantes intervenções que antecipam aos desafios mais comuns que afetam os idosos.

1. Construa uma agenda

Tão importante na infância como para velhice definir horários para dormir, acordar e se alimentar favorece o bem-estar do idoso durante esse período crítico. Evite que o idoso fique na cama durante o dia, pois caso isso ocorra provavelmente ele terá insônia e afetará seu humor no dia seguinte. Ficar comendo doces em excesso ao longo do dia certamente agravará a diabetes comum a essa faixa etária. Não se cogita a hipótese de ficar de pijama durante o dia, pois sua mente pode levá-lo a acreditar ser inútil criando, sentimentos e emoções conflitantes. Certifique-se que o idoso está tomando a medicação certa no horário correto.

2. Ajustar as atividades físicas

Para os que estão habituados a fazer caminhadas ao ar livre ou academia, é fundamental realizar as atividades dentro de casa. Existem vários treinos online gratuitos disponíveis na internet. Segundo estudos da Universidade Norte Americana Stanford, há um grupo de neurônios que regula o equilíbrio entre a respiração, a atividade de relaxamento e ao estresse. Assim, somos capazes de buscar um modelo de respiração para conectar a uma determinada condição de quietude interna. 3. Universo virtual

Aos idosos mais conectados ao mundo digital, a internet proporciona inúmeras possibilidades. É fácil encontrar plataformas digitais disponibilizando cursos online que ampliam o aprendizado. Também pode ser um momento ímpar para ensinar os idosos a usar a internet. Hoje através da tecnologia digital, é possível realizar leituras, ouvir música, assistir filmes, conversar com familiares e até realizar visitas virtuais a museus, tudo na palma da sua mão. A internet quando bem utilizada pode se tornar um excelente recurso no combate à solidão, ansiedade e depressão.

4. Consumo consciente de informações

Inúmeros fatores transformam grande parcela dos idosos em pessoas extremamente sensíveis. Por isso, é importante evitar que eles invistam muito tempo assistindo noticiários que apresentem dados desesperadores. As fake news são excessivamente prejudiciais, pois informações incorretas podem alimentar o imaginário de modo pessimista. Neste momento de pandemia, o que não precisamos ver é mais caos. Necessitamos procurar matérias que apresentam emoções positivas e esperança de vida. Introduzir no interior do lar um clima descontraído capaz de minimizar o sentimento de desconforto e medo.

5. Exercite a criatividade

Ocupar-se com atividades artísticas ou confeccionar artesanatos são excelentes oportunidades para estimular o cérebro. Para quem detém o talento culinário relembrar velhas receitas ou elaborar novos pratos pode ser uma forma irreverente de saborear a vida e liberar tensões. Pequenos afazeres domésticos trazem a sensação de plenitude. O incentivo a escrita é essencial para preservar funções mentais. Contar a própria história de vida é um retorno ao passado, resgata as memórias e as colocam em contato com os sentimentos, dissolve amarguras e transmite conhecimento entre as gerações.

Em sua opinião, o que poderíamos estar fazendo a mais para evitar o vazio emocional?

18 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo